A postagem a seguir relata o caso de um dos mais misteriosos desaparecimentos ocorridos no Brasil, até os dias de hoje nenhuma indicação do que tenha realmente ocorrido com o escoteiro Marco Aurélio tenha sido descoberta. O desaparecimento entrou para a lista de mistérios brasileiros por conta da falta de pistas para se determinar o que aconteceu com o jovem escoteiro. Assassinato, sequestro por meio de uma seita e até abdução, são algumas das suposições feitas para tentar explicar o que aconteceu com o escoteiro.

Paulo Rosano Rodrigues Formação: Letras Profissão: Professor de Língua Inglesa, Portuguesa e Filosofia das escolas estaduais do Estado de São Paulo. Idade: 54 anos Hobby: Ler, viajar, fotografia, cinema e apreciar a natureza. Morador da cidade de Cubatão Visitou a cidade de Piracicaba em Abril e Nov 2015

Piracicaba é um município brasileiro, que está situada, no interior do estado de São Paulo com distância de 164 km. Uma pacata cidade do interior, onde nos finais de semana os turistas se juntam para passear e ver suas belezas naturais, com destaque para a Rua do Porto.

capalivrolobos

Sandra Tavares

Boas ideias nascem de diálogos, conversas, encontros, pesquisas e muito trabalho. Enfim, não importa. O importante mesmo é que elas surgem e geram grandes resultados.
Assim foi a parceria entre o biólogo e analista ambiental do Centro Nacional de Pesquisa e Conservação de Mamíferos Carnívoros (CENAP/ICMBio), Rogério Cunha de Paula, e o fotógrafo profissional especializado desde 1992 em expedições a regiões remotas, Adriano Gambarini. Da parceria surgiu o livro “Histórias de um lobo’.

O lançamento do livro está previsto para dezembro em SP e para o inicio de 2014 em Belo Horizonte e Brasília. O prefácio é de autoria de um dos mais importantes naturalistas do mundo e ícone da conservação da vida selvagem, o alemão/norte-americano George Schaller. A obra, inédita por relacionar fauna e cultura, é um resgate das mais importantes informações científicas sobre o lobo-guará, traduzidas numa linguagem simples e de fácil entendimento, além de compilar importantes histórias e mitos da cultura popular brasileira.

Em 4 de outubro de 1501, o genovês Américo Vespúcio, assessor científico do comandante Gonçalo Coelho, chega a foz de um grande rio. Como aquele dia era dedicado a São Francisco de Assis, Vespúcio batiza-o de Rio São Francisco.
Antes de sua descoberta, as margens do São Francisco eram habitadas por diversas tribos indígenas como os tuchás, cariris, coroados, vermelhos, ciapós, tapuás, rodelas, chacribás, gamelas e os gês, que foram expulsos do litoral pelos tupis. Os tupis também foram expulsos mais tarde pelos exploradores* estrangeiros.